domingo, 31 de julho de 2011

Os diferentes métodos de construção do tópico frasal

Você tem uma ideia, quer colocar no papel, mas não sabe como? Recorra ao tópico frasal como síntese e delimitação do seu pensamento e depois é só desenvolver esta ideia, ou melhor, é só desenvolver o seu tópico frasal que já está no papel.

Para mostra-lhes estes métodos, recorrerei novamente ao Professor Othon M. Garcia e suas classificações de tópicos frasais:

a) Declaração inicial — Esta é, parece-nos, a feição mais comum: o autor afirma ou nega alguma coisa logo de saída para, em seguida, justificar ou fundamentar a asserção, apresentando argumentos sob a forma de exemplos, confrontos, analogias, razões, restrições — fatos ou evidência, processos de expla­nação que veremos a seguir em 2.0.
Vivemos numa época de ímpetos. A Vontade, divinizada, afirma sua prepon­derância, para desencadear ou encadear; o delírio fascista ou o torpor marxista são expressões pouco diferentes do mesmo império da vontade. À realidade substituiu-se o dinamismo; à inteligência substituiu-se o gesto e o grito; e na mesma linha des­se dinamismo estão os amadores de imprecações e os amadores de mordaças (...)

(Gustavo Corção, Dez anos, p. 84)

O Autor abre o parágrafo com uma declaração sucinta, que, no caso, é uma generalização ("Vivemos numa época de ímpe­tos"), fundamentando-a a seguir por meio de exemplos e por-menores (delírio fascista, torpor marxista, império da vontade, dinamismo, gesto e grito, imprecações são termos que sugerem a idéia de ímpeto).

Às vezes, a declaração inicial aparece sob a forma negativa, seguindo-se-lhe a contestação ou a confirmação, como faz Rui Barbosa no trecho abaixo:
Gerneralização (tópico frasal): Não há sofrimento mais confrangente que o da privação da justiça. As crianças
Especificação (desenvolvimento): o trazem no coração com os primeiros instintos da huma­nidade, e, se lhes magoam essa fibra melindrosa, muitas vezes nunca mais o esquecem, ainda que a mão, cuja aspereza as lastimou, seja a do pai extremoso ou a da mãe idolatrada (...).

(Apud Luís Vianna, Antologia, p. 95)

O primeiro período poderia servir de título ao parágrafo: é uma síntese do seu conteúdo.
b) Definição — Frequentemente o tópico frasal assume a forma de uma definição. É método preferentemente didático. No exem­plo que damos a seguir, a definição é denotativa, Lê., didática ou científica (ver 5. Ord. — 1.3):
Estilo é a expressão literária de idéias ou sentimentos. Resulta de um conjunto de dotes externos ou internos, que se fundem num todo harmônico e se manifestam por modalidades de expressão a que se dá o nome As figuras.

(AugustoMagne,Princípios..., p. 39)

c) Divisão — Processo também quase que exclusivamente di­dático, dadas as suas características de objetividade e clareza, é o que consiste em apresentar o tópico frasal sob a forma de divisão ou discriminação das idéias a serem desenvolvidas:
O silogismo divide-se em silogismo simples e silogismo composto (isto é, feito de vários silogismos explícita ou implicitamente formulados). Distinguem-se quatro espécies de silogismos compostos: (...)

(Jacques Maritain, Lógica menor, p. 246)

Via de regra, a divisão vem precedida por uma definição, am­bas no mesmo parágrafo ou em parágrafos distintos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário